Sem produção e trabalho inclusão social vira falácia
Inserção social. São palavras bonitas, sobretudo, quando sustentadas pela bengala dos números. Mas, para garantir a inclusão social é necessário mais do que números. Alguém um dia afirmou: “Os números não mentem jamais; mas podemos mentir com eles”.
 
Sugerimos uma dose de realidade cotidiana na política de governo para a inserção social. E isso vem faltando há longo tempo, senão durante todo o tempo. Sem oferta de trabalho, em todas as modalidades de atividades, de Sul a Norte, de Leste a Oeste, em todos os pontos abordáveis desse território brasílico, a inclusão vai voltar a ser apenas uma expectativa ou um sonho que está virando pó.
 
Estranho como não se está cuidando disso. Refiro-me à base da inclusão.  Fala-se dela como produto permanente e acabado, jamais como um processo inconcluso.  
 
Inclusão deve significar possibilidades de aperfeiçoamento de mão de obra; de trabalho nas áreas rurais e urbanas; de famílias comprometidas com a produção de bens para a garantia da inserção dos filhos nas escolas; de escolas para todos, na cidade e nas regiões mais remotas do campo. Escolas no chamado “Brasil profundo”.
 
E preciso haver garantia de continuidade. Na retaguarda, a mão do governo, mas, sobretudo, a mão de empresas fortes, capazes de cumprir contratos na área da infraestrutura e da produção de bens e serviços. Em especial, construção e operação de novas plantas industriais.
 
Fala-se de inclusão social sem que sejam levados em conta os meios  de mantê-la. Como se ela pudesse bastar-se sozinha,  apenas com a retórica do populismo.  Assim, ela vai acabar com os burros n´água.
 
Em uma entrevista à FSP de anteontem (25), o economista Paulo Nogueira Batista Jr., vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, diz que os dois governos brasileiros recentes promoveram “grande inclusão social no País”.  Tudo bem, concordemos. Mas, concordemos, muito mais ainda, quando ele assegura a necessidade de um Projeto de País,  apoiado nos seguintes pilares: desenvolvimento, independência nacional,  justiça social, democracia e proteção do meio ambiente.


segunda-feira, 26 de outubro de 2015
Fonte: Nildo Carlos Oliveira
Publicidade
  • contato internacional
  • app ranking
  • Linha do Tempo
  • Guindaste Terex instala ponte metálica

A Revista

- Perfil

- Publicidade

- Assinaturas

Eventos

Contato

Rua Marquês de Paraná, 471
Cep: 05086-010 - sala 10 - Alto da Lapa - São Paulo/SP
Fone: (11) 3895-8590

 

500 Grandes

Edições

 
 
A republicação e divulgação de conteúdos públicos são permitidas, desde que citados fonte, título e autor. No caso dos conteúdos restritos, não é permitida a utilização sem autorização do responsável. É totalmente livre a citação da URL do Portal (http//www.revistaoempreiteiro.com.br) em sítios e páginas de terceiros.
© 2017 - O Empreiteiro - Todos os direitos reservados.
Tendenza Tecnologia