E a tragédia chega ao mar
Ela já vinha de longe, dos vales da região de Mariana-MG, depois de provocar oito óbitos (um número que tende a aumentar) e de causar destruição de moradias, comprometer o leito do rio Doce e de seus afluentes e de provocar pânico generalizado nas populações do entorno. Biólogos e outros estudiosos se encontram de plantão, unidos pela perplexidade ocasionada por uma ocorrência para a qual não há justificativa sob quaisquer pontos de vista.
 
As responsabilidades  não serão apenas da Samarco e da Vale. São múltiplas. Do governo  como um todo,  do legislativo federal  e de outros segmentos da sociedade. Houve falhas no monitoramento do comportamento das barragens que se romperam; houve falhas por conta da  ausência de um plano de contingência e continua a haver falhas no processo de acompanhamento da tragédia humana e ambiental.
 
O mar de lama contaminada chegou à foz do rio Doce e se estende 10 km oceano  adentro,  destruindo habitats naturais – a fauna e a flora. Há praias interditadas, populações sem água potável e trabalhadores sem o seu meio de subsistência.
 
A ministra Izabella Teixeira, do Meio Ambiente,  diz que está notificando a Samarco para que ela atende as populações afetadas, “de maneira articulada com o governo do Estado e com  os municípios”. Mas, tudo o que se fizer, em favor das populações do entorno, sempre será muito pouco e não vai reparar a extensão dos danos passados, presentes e futuros.
 
Uma barragem, qualquer barragem, tem riscos na composição de sua estrutura. Poderia acrescentar: em especial quando se trata de uma barragem projetada para a finalidade de armazenar água, lama e materiais de rejeito daquela natureza.  Ainda não foram apuradas todas as causas do rompimento, mas é óbvio que, em se tratando  de barragens  com potencial para provocar desastre dessa extensão,  jamais poderia ficar sem monitoramento rigoroso, dia e noite.  Nesses tempos de avançada tecnologia, falhas dessa ordem é ainda mais inconcebível.   
 
Há outro problema que pode ser creditado à irresponsabilidade do legislativo federal.  É ali, na Câmara dos Deputados,  que o novo código de mineração fica engavetado, na expectativa de negociações.  Haja vista a informação do pesquisador Carlos Bittencourt, do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase),  de que esse documento tem sido utilizado tão-somente como instrumento para  a obtenção de “investimentos”.  Do outro lado dessa regra do jogo há gente sacrificada e a natureza morrendo.  


quarta-feira, 25 de novembro de 2015
Fonte: Nildo Carlos Oliveira
Publicidade
  • contato internacional
  • app ranking
  • Linha do Tempo
  • Guindaste Terex instala ponte metálica

A Revista

- Perfil

- Publicidade

- Assinaturas

Eventos

Contato

Rua Marquês de Paraná, 471
Cep: 05086-010 - sala 10 - Alto da Lapa - São Paulo/SP
Fone: (11) 3895-8590

 

500 Grandes

Edições

 
 
A republicação e divulgação de conteúdos públicos são permitidas, desde que citados fonte, título e autor. No caso dos conteúdos restritos, não é permitida a utilização sem autorização do responsável. É totalmente livre a citação da URL do Portal (http//www.revistaoempreiteiro.com.br) em sítios e páginas de terceiros.
© 2017 - O Empreiteiro - Todos os direitos reservados.
Tendenza Tecnologia